Bem vindos ao nosso blog!

Blog criado e idealizado por Amanda Rocha, Carolina Ducatti e Priscilla Ramila, coloca em questão o assunto: EDUCAÇÃO INCLUSIVA.

Participe do nosso blog comentando!

^^

segunda-feira, 17 de maio de 2010

O importante é cooperar!

No contexto histórico da Educação Física como treino rígido para formação de atletas,  militarista com utilização de marchas inclusive para crianças,  hoje vemos que a percepção do uso do corpo na Educação Física melhorou bastante.  Levando-se em conta que a partir do desenvolvimento corporal também se desenvolvem o cognitivo,  o social e afetivo,  é construída uma interação com o mundo,  permitindo que as relações interpessoais permeadas que estão pela violência e agressividade de hoje em dia,  sejam trabalhadas na prática pedagógica,   daí a importância dos jogos cooperativos.
O jogo como ferramenta pedagógica não deve ser usado como mero passatempo,  sem finalidade no ambiente escolar ,  mas sim como instrumento na formação de um indivíduo mais ou menos autônomo,  confiante e preocupado com o coletivo,  aproximando-se do trabalho por aprimorar as interpessoalidades.  Age também na formação do caráter como um regulador emocional,  que age na auto-estima e promove o respeito e a solidariedade.  Cabe à escola e ao educador a seguinte pergunta: o que queremos ensinar,  competir ou cooperar ?

*texto de Amanda Alves Rocha

terça-feira, 11 de maio de 2010

Mundo Surdo

"A gaivota cresceu e voa com suas próprias asas. Olho do mesmo modo como poderia escutar. Meus olhos são meus ouvidos. Escrevo do mesmo modo que me exprimo por sinais. Minhas mãos são bilíngües. Ofereço-lhes minha diferença. Meu coração não é surdo a nada deste duplo mundo..." (Emanuelle Laborit)

Tenho certeza de que não falo apenas por mim. Hoje em minha sala haviam olhos bem abertos, inquietos com a companhia do diferente, mas a vontade de aprender se revelava em cada gesto de mãos imitado.
Acredito que nenhuma outra disciplina nos chamou tanto a atenção quando a de LIBRAS. Entramos em contato com um novo mundo, um tanto admirável.
Falar com as mãos, ler gestos? Isso causa uma tempestade nos neurônios! Mas, sendo qual for o clima, digo que estamos realmente vivendo uma "inclusão", talvez as avessas. ^^

SIR Visual

No dia 16 de abril a Profª Ms Nara Borges promoveu uma palestra sobre uma SIR (Sala de Integração e Recursos) Visual. Durante a palestra conhecemos um pouco sobre a educação do deficiente visual e tivemos contato com jogos sensoriais e livros, que podem ser usados por crianças com deficiência visual ou não.





















Com Susete, deficiente visual e professora de uma SIR Visual, aprendemos como se lê e escreve em Braile. Susete ainda deu dicas sobre como ajudar um deficiente visual a se orientar e se locomover em um espaço. Também ressalta a importância de valorizar as habilidades do aluno deficiente visual e não reduzí-lo à sua limitação, pois todos podem se desenvolver dentro de suas capacidades.























fonte das imagens:
http://www.palavraeditoraearte.com.br/imgs/espacobrinquedo/news/1481.jpg
http://3.bp.blogspot.com/_HY9_7O3xpAw/SHEqB47MiQI/AAAAAAAAADU/Mm0dm4bQUZs/s320/brinquedo_cegos_1%5B1%5D.jpg
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/braile/imagens/braile42.gif

Planejamento e Ação...

Para que planejar?

Nas menores coisas de nossas vidas, nos planejamos no intuito de melhor organizar o andamento das coisas. Planejamos a compra do sonhado carro novo, do apartamento e até a chegada do bebê depois da suada estabilidade financeira (bem, às vezes chega antes do planejado!). Na ação pedagógica eficaz e comprometida, o papel do planejamento também é organizar o fazer pedagógico, ser o fio condutor das ações escolares, tanto quanto ordenar e sistematizar os conteúdos curriculares. O planejamento participativo deve assumir um caráter processual, flexível, de ação e reflexão permanente, com adequações nos objetos e estratégias durante sua execução, e nada mais é do que repensar sobre a prática, ressignificá-la. O planejamento escolar é considerado importante e complexo por lidar com a formação do ser humano.

Planejamentos Escolares

A escola também precisa planejar suas práticas. Explicaremos agora os tipos de planejamento que existem na escola:


PPP (Projeto Político-Pedagógico)

É o planejamento geral da escola, a identidade, o plano principal. É democrático e deve ser construído com a participação de todos os seguimentos da escola: equipe de gestão, professores, funcionários e alunos, é claro. É baseado nos PCNs e a partir dele são feitos os demais planejamentos de uma escola.


Plano Global/A
nual

É o planejamento do ano letivo escolar, basicamente o que se pretende para o ano vigente. A partir do que foi observado e refletido no PPP contrói-se os objetivos e ideais para o ano.


Plano de Estudos

Organizado coletivamente, o Planos de Estudos é um planejamento curricular que revela as sequencias de aprendizagem. Seja por concepção de área ou de disciplinas. Define também os conteúdos as serem trabalhados em cada ano ou série.

Projeto de Trabalho

Este é o projeto criado pelo professor com o auxílio de seus alunos. Possui periodicidade variada, dimenção política, é adaptado à realidade e não é um modelo pronto. Ele deve ser criado para atender um público X em um dado momento. Segundo Nogueira (2001, p 90), "Um projeto na verdade é, a princípio, uma irrealidade que vai se tornando real conforme começa a ganhar corpo a partir da realização de ações e consequentemente, as articulações desta".
Ele propõe a problematização e ressignifica os espaços de aprendizagem: pretendem formar sujeitos ativos, reflexivos, atuantes e participantes.

O projeto de trabalho é a mistura dos ingredientes para fazer o bolo!

Plano de Aula

É o plano que o professor faz para cada dia de aula. Nele estão descritas as atividades a serem realizadas e, no final da aula, relata como foram desenvolvidas as atividades, fazendo uma análise reflexiva, que auxiliará nas avaliações.

E ATENÇÃO: É de extrema importância que
educadoras e educadores construam seus
planejamentos de forma reflexiva e participativa,
visando sempre a construção da ponte entre o real e o ideal;
a educação que temos e a educação que queremos.